quarta-feira, 14 de setembro de 2011

des(tino), razão perdida.




Quanto mais tempo passa,
mais improvável imagino o futuro.
Furo na lua amarela, esvaziaria ela?
Já aprendi que destino
é desculpa romântica que por mistério alguém criou,
mas devo dizer que não sou bem a mapeadora do meu caminho.
Meu norte é meu coração.

2 comentários:

  1. olha que a lua não sabe por onde vai, mas vai, porque tem dentro dela uma força que lhe puxa e que é maior que o próprio peso. Não tem destino mesmo não, é só porque a cor nos surpreende a ponto de que, qualquer que seja a trajetória, essa se justifique por ela simplesmente passar, porque não volta e porque é bonita assim.

    ResponderExcluir
  2. Faz falta a sua poesia, menina. Mas não me importo em re-re-re-reler o que já tem... Me apraz. =)

    ResponderExcluir